quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Paisagem de Porcelana por Claudia Nina


Hey galera! Nunca tinha escutado falar sobre "Paisagem de Porcelana" mas quando vi essa capa e li o título do livro tive certeza que precisava ler! 

'Paisagem de Porcelana' é escrito pela autora Claudia Nina e relata a história de Helena, uma jovem que viaja para Amsterdã, a principio por estudos mas aos poucos é possível ver que ela procura por algo mais. No país porém, ela parece não conseguir se acostumar, não fala a língua local e não consegue fazer novas amizades. É somente depois de muito tempo que ela conhece Ernest, que tudo passa a melhorar, ao menos por um tempo, porém aos poucos o comportamento estranho do novo namorado passa a assustá-la.



Gostei bastante de acompanhar a trajetória da Helena pelo novo país e ver as coisas novas através de seus olhos. Mas não se enganem, esse não é um livro comum, no qual uma personagem normal viaja e conhece o príncipe dos sonhos. Na verdade acredito que nunca encontrei uma personagem parecida como esta. Helena parece confusa e vazia, ela confunde o que diz, conta um mesmo fato de forma diferente, e por vezes duvidei de sua sanidade. 

A leitura é rápida, não sei se por causa da história ou se pelo motivo de ter amado de verdade o modo como a autora escreve. E recomendo, embora não seja uma leitura fofa e leve, e sim, pesada e por vezes confusa já que acompanhamos tudo através do que a personagem principal acredita que enxerga. Recomendo justamente por ser diferente do que estamos acostumados a ler! :)


Quotes

"Se eu tivesse ficado entre os que estão de passagem teria sido feliz porque tudo o que eu quis depois foi passar; queria que o tempo passasse, que eu passasse no tempo, enfim, queria que Amsterdã tivesse passado, mas foi presente perpétuo."

"Talvez se visse alguém como ele com a emoção de hoje, eu o identificaria como um monstro de pesadelo. Naquele tempo, porém, ele foi um sonho."

"Um grande alívio foi saber que a transparência é uma qualidade relativa."

"Os rostos não me entretinham porque não tinham nada a dizer e se afastavam de mim; as pessoas temem a solidão uma das outras, como eu disse."

"Ele lançava sobre mim palavras perturbadoras, gritava em holandês. Sacou o idioma como quem pega uma arma. Foi uma surra."

"Precisava de ouvidos emprestados com urgência, só não sabia o que falar exatamente, se nem eu compreendia o que estava se passando."

E aí, gostaram do livro?

Beijo!

2 comentários:

  1. poxa, muito obrigada. não tinha lido a sua postagem. fiquei muito feliz. tenho uma página no facebook e quem quiser acompanhar meus trabalhos aparece por lá!

    beijos,

    claudia nina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que incrível ver você por aqui, Claudia! Não pode imaginar o quanto estou feliz pelo comentário ♥

      Excluir